O padre queniano Pai Ogallo vivia uma rotina dupla aos domingos. Durante uma parte do dia, ele usava os trajes tradicionais para missas na igreja católica de Santa Mônica, no sudoeste do Quênia. Depois Ogallo trocava a batina por um shorts, uma camiseta e uma bandana vermelha na cabeça, e passava a cantar rimas para entreter sua congregação.
padre queniano

Em entrevista a um veículo local, Ogallo disse que o estilo nada convencional foi adotado em uma tentativa de trazer “os mais jovens para perto da igreja” e passar a mensagem contra o uso abusivo de drogas de maneira convincente.

Porém, o bispo da diocese não gostou muito da ideia do rap no altar e decidiu suspender o padre durante um ano. O bispo até considera positiva a utilização deste gênero musical para cativar os mais jovens, mas para ele são duas coisas distintas e Ogallo teria que escolher entre ser um rapper ou um padre.

Agora, ‘Sweet Paul’ (como também é conhecido), fica impedido de dar missa em público e de administrar a comunhão, mas pode dar missas fora da igreja, para grupos com poucas pessoas.

E você, gostaria de um rap nas suas missas de domingo? Rsrs.