Neymar-e-Bruna-Marquezine-para-Senhoritas

Homem não acaba relacionamento. Homem posterga. A barriga, que cresce com cervejas em bares em longas conversas sobre Neymar, Megan Fox e o vídeo da gostosa do Direito que está a circular pelos whatsapps, só existe para o homem poder usá-la para empurrar o namoro. Funciona assim: o homem, primeiro, quer transar com aquela mulher linda. Faz de tudo, incluindo jantas, flores e mensagens diárias. Depois de conseguir, ele descobre que a mulher é maior que uma transa banal em busca de orgasmos ensandecidos e gritados. Ou seja: a mulher não é só um corpo. Ela é legal, gente boa e aparece, lá no íntimo masculino, uma vontade de apresentar aquele belo exemplar humano aos pais. 

Assim, depois dos pais, começa o namoro. Loucas viagens, amores diários, suores, risos e a felicidade completa. Bom, a partir desse ponto, a química do casal vai escolher quanto tempo perdurar. Pesquisadores apontam que a média é dois anos. Uns tem mais sorte, outros acabam o casamento seis meses depois da festa que uma das amigas ficou com um cara na quadra de basquete, embaixo do garrafão. Ou seja: essa paixão mágica vai acabar. Casais inteligentes tomam dois rumos: ou jogam com o amor que pode ficar e deixar a relação ir longe, com muita parcimônia e capacidade de entender a independência do outro. Ou acabam com tudo logo. Eis aqui uma diferença entre machos e fêmeas.

O homem descobre que não quer mais, mas empurra com a barriga até se estrebuchar todo. Inventa brigas, amantes, dores e tudo mais tentando achar desculpas para um término que doa pouco. Tem homens que rezam para descobrir que a moça o está corneando, uma espécie de corno salvador, que vá salvar a vida dele e ganhar, no colo, um motivo para o fim.

Mas o homem sempre acha que pode ir mais longe com uma relação que não está agradando. Isso é do macho que tem pena da menina, acha que ainda pode salvar, lembra das coisas boas, dos carinhos, das noites mágicas. Lembra da viagem inesquecível, fica a olhar foto do passado recente, enfim, dói, arde, fere o peito dele só em pensar em acabar com aquele ser que é gente boa, que é um humano maravilhoso, mas que, por razões diversas, não é mais a pessoa para namorar. E fica naquela de “não te dizer o que penso já é pensar em dizer” (Amarante, Rodrigo). E assim o homem vai escorregando do namoro, até uma grandiosa merda acontecer com um fim não tão tranquilo como ele tanto desejou. 

E a mulher, sentindo a mesma coisa que o homem descrito acima, o que ela faz? Bom, uma mulher, quando descobre que o cara não é mais o príncipe, demora, no máximo, um dia para acabar. Rápida, ágil, ardil e corajosa. Nada mais macho que uma mulher quando descobre que o relacionamento acabou. Nada. 

* Potter escreve toda sexta sobre relacionamentos. 

CURTA O PRETINHO NO FACEBOOK!