Becker/Agência RBS
Um pequeno frango de três patas se tornou uma inusitada atração em uma loja agropecuária  de Tubarão, em Santa Catarina. A ave divide espaço com dezenas de outros pintos que estão à venda em uma gaiola do estabelecimento.   

O proprietário da loja, Jucélio Procópio Luís, havia comprado na segunda-feira um  lote de 40 pintos recém-nascidos de um aviário de Urussanga, mas só foi perceber  o frango de três patas dois dias depois.

– Todos os pintos são selecionados, mas na hora da venda ninguém percebeu isso.  É algo surpreendente – conta o comerciante.

A terceira pata da ave fica na parte de trás, próxima do ânus, e por ser menor que  os dois membros naturais não se apóia na superfície. De acordo com Procópio, vez  por outra é possível notar discretos movimentos. Por possuir uma pata a mais, o frango ganhou um privilégio importante: escapou do  risco de ser adquirido a R$ 3,25 por alguma dona de casa que o colocaria no galinheiro  e, mais tarde, na panela.

A ave tripé, como é chamada por alguns clientes de Procópio,  também pode ser doada como cobaia de estudos a uma universidade ou instituição técnica  agropecuária. O médio-veterinário da Companhia Integrada de Desenvolvimento Agrícola de Santa  Catarina (Cidasc) de Tubarão, Irae Pizzolatti, esclarece que esse fato não chega  a ser algo tão raro. Segundo ele, a população de frangos é extremamente grande e  por isso a cada mil nascimentos pode acontecer uma má-formação congênita.

– Um conjunto de vários fatores fatores, entre eles a genética, ambiente, hereditarismo  e uso de medicamentos, pode ter determinado o surgimento dessa terceira pata – explica  o veterinário.

Postado por Isabela Vieira