Eu sou completamente apaixonada por filmes de terror. Até os mais meia boca, eu curto. Nem que seja pra criticar depois. Mas Marianne me pegou de surpresa. Pouquíssimos clichés, sacadas aterrorizantes e uma história que é impossível de não maratonar. Com certeza, é a série de terror mais assustadora dos últimos tempos e da Netflix.

marianne-01(Divulgação: Netflix)

Eu estava pensando esses dias do real motivo pelo meu amor por filmes de terror. Quando eu era adolescente, eu tinha muitos pesadelos. Praticamente todo dia, era uma história diferente dentro da minha cabeça. Um monstro que queria me matar. Uma bruxa que tentava me assombrar. Um eterno labirinto sem saída. Aos poucos, tanta aventura se tornou normal pra mim. Eu conseguia achar a saída em qualquer sonho ruim que, aos poucos, se tornaram divertidos. Assim como assistir filmes de terror na vida “real”.

Quando a Netflix sugeriu a série francesa de terror Marianne, adicionei instantaneamente à minha lista, é claro! A imagem principal da série já é perturbadora por si só, não precisa nem contar a história. Mas nada comparado com o que vinha a seguir. A descrição para a série na plataforma de streaming para série dizia: “De volta à cidade natal, uma famosa escritora de livros de terror descobre que o espírito que atormenta seus sonhos está provocando o caos no mundo real”. No mínimo, instigante. Mas, de novo, nada comparado com o restante da história.

marianne-03(Reprodução: Netflix)

Emma Larsimon, interpretada pela Victoire Du Bois, é uma escritora de contos de terror que ficou famosa escrevendo uma saga sobre a heroína Lizzie Clarke e a bruxa Marianne. Cansada da fama e das consequências disso, ela decide encerrar a história e partir para um novo gênero literário. O que ela não imaginava é que não seria tão fácil assim. Após um encontro com uma antiga amiga, Emma descobre que o espírito de Marianne está presente no mundo dos vivos, possuindo pessoas e atormentando sua família e seus amigos de infância. Ao voltar para sua cidade natal, Emma revive o passado e é assim que começamos a entender melhor a história.

Não sei vocês, mas eu não estou acostumada a ver produções francesas. Talvez por isso, Marianne tenha me cativado tanto. Eu não sabia o que ia acontecer em 5 segundos pra frente em cada cena. Coisa que acontece muito nas produções americanas. A gente cresce vendo as mesmas coisas e passa a entender o funcionamento e a direção dos roteiro, principalmente os de terror, onde o ápice da cena é o momento de tensão, o susto. Dirigido por Samuel Bodin e escrita por Bodin e Quoc Dang Tran, a série é imprevisível na maior parte do tempo. As figuras utilizadas são de fato assustadoras. Mesmo quem é TOTALMENTE descrente no sobrenatural vai se assustar. Já eu que acredito em espíritos, me ralei.

A série vem ganhando vários fãs do gênero ao redor do mundo. Nenhum deles, mais importante do que Stephen King que chegou a tweetar sobre a série. O escritor de terror mais renomado compara Marianne com suas próprias criações. Confira o tweet abaixo:

AVISO: a partir daqui tem alguns spoilers!

Marianne-Série-Netflix-750x380(Divulgação: Netflix)

Num primeiro momento, a bruxa Marianne possui o corpo de uma senhora de idade, a Mrs Daugeron, mãe da amiga de infância de Emma Larsimon. Essa senhora é uma das melhores atrizes que eu já vi. Com os olhos esbugalhados e um sorriso pra lá de perturbador, é impossível não reviver a imagem dela na cabeça mesmo depois de terminar qualquer episódio. Interpretada pela incrível Mireille Herbstmeyer, é um dos pontos altos da série.

Um dos momentos que, sim, eu lembro todas as noites antes de dormir é uma cena do primeiro episódio. Após algumas várias doses de tequila, Emma vai pra casa jantar com seu namorado que, por sua demora, já tinha ido dormir. A escritora, então, vai se deitar até que sente uma presença no quarto. A porta se abre lentamente e revela um vulto escuro se arrastando pelo quarto. Após o susto, Emma acha que foi só um pesadelo e pede pra seu namorado se virar na cama para tranquiliza-la. É exatamente esse instante que é impossível não ficar na cabeça. Ele se vira com o mesmo sorriso bizarro da Mrs Daugeron. Marianne está em todos os lugares e Emma não vai poder fugir desta vez.

marianne-02(Divulgação: Netflix)

A escritora, junto com sua nova empresária Camille (Lucie Boujenah), mergulha em seu passado e retorna a Elden, uma pacata cidade onde tudo parece normal, mas nada é. Uma cidadela perto do mar, com aspecto úmido e frio. Perfeito para seres malignos habitarem. Um pouco cliché? Talvez. Mas não incomoda. O ambiente e os cenários ajudam a compor a sensação de inquietação. A forma como a cidade é apresentada e a personalidade que Elden transmite fazem dela uma das personagens da história.

Não quero entregar tudo, mas ao longo dos episódios entendemos que a relação de Emma com Marianne é antiga e basicamente definiu toda a vida da escritora. A bruxa não é uma invenção da cabeça dela e não é somente através da escrita que suas maldades se tornam realidade. Ainda jovem, Emma consegue se livrar dos pesadelos a partir do momento que passa a escrever sobre Marianne. Porém, a conexão entre elas segue viva através dos livros. A série não explica porque elas estão interconectadas, mas conta a origem da bruxa, esposa de um demônio, e seu passado em Elden. A única coisa que sabemos, desde o início, é que Marianne não consegue mentir seu nome.

Como eu disse lá em cima, é impossível não maratonar os oito episódios da primeira temporada disponíveis na Netflix. A plataforma não confirmou a segunda temporada ainda, mas o final foi deixado em aberto e ainda tem história pra ser contada da bruxa com Emma. Aproveita que o final de semana está logo aí e te prepara pra uma maratona com as luzes acesas ;] 

Se tu já assistiu Marianne ou vai assistir, me manda uma mensagem no meu Instagram @carol.sanchess e me conta a tua experiência com a série!