O fato em si é meio Black Mirror: Mark Zuckerberg usou uma aplicação de realidade virtual do Facebook, chamada “Spaces”, para fazer um tour em Porto Rico após o rastro de destruição causada por furacão no país.

Mas a demonstração saiu pela culatra, e várias pessoas começaram a achar a demonstração como sendo de “mau gosto”, uma vez que não demonstrava sensibilidade com as vítimas no local. Apesar de ser um tour 360º com alta tecnologia, a proposta do Facebook Spaces é com os avatares em formato cartunizado, bem divertido.

Veja o vídeo:

screen-shot-2017-10-09-at-3-53-15-pm

Após a controvérsia, Zuckerberg emitiu um comunicado oficial falando sobre o assunto e pedindo desculpas:

“Uma das maiores possibilidades da realidade virtual é a empatia. Minha meta aqui é mostrar que VR pode melhorar a percepção e ajudar-nos a ver o que está acontecendo em diversas partes do mundo. Queria também compartilhar nossa parceria com a Cruz Vermelha para ajudar com a recuperação de Porto Rico. Lendo os comentários, percebo que isso não ficou claro, e peço desculpas para quem se ofendeu.

Quando se está em realidade virtual, o que está em volta parece muito real. Mas esse senso de empatia não se estende necessariamente para as pessoas te vendo como um personagem virtual em uma tela 2D. Isso é algo que precisaremos trabalhar com o passar do tempo.”

facebook-spaces-zuckerberg-puerto-rico-vr