Half Life 3

A notícia pegou a internet de surpresa: o roteirista Marc Laidlaw divulgou em seu Twitter o roteiro inicial do aguardado Half-Life 3. Seria algo incrível, a ser comemorado por meses, se não fosse o fato de Laidlaw ter deixado a Valve no começo de 2016.

Com a divulgação prévia da suposta trama por um ex-funcionário, não fica difícil entender que a chance de um novo jogo da série ser lançado é mínima. Dez anos após o último lançamento, a história ainda tem muitos pontos sem nó. Brechas para uma sequência.

Nomeado é por Laidlaw como “Epistle 3“, devido a ser escrito em formato de carta, e fazendo referência direta ao episódio 3. O documento troca os nomes e gêneros das personagens: Gordon Freeman vira Gertrude, Alyx Vance vira Alex Vaunt, Eli Vance é Elly Vaunt, Judith Mossman é Jerry Maas, Wallace Breen vira Wanda Bree, e por aí vai.

HuesBR já interpretaram a carta e reescreveram uma versão em português do possível enredo. Prove um gostinho dos caminhos da trama:

Gordon e Alyx vão ao Borealis com um avião (nas artworks é helicóptero), chegam na Antártica (ou batem lá como nas artworks), e notam que o Borealis aparece e some, ele na verdade esta num conflito tempo espaço, a localização que a Judith Mossman tinha dado era aonde o Barco fica, não no lugar exato para justamente despistar os Combine que querem a tecnologia para dominar tudo.

No entanto, ambos são encurralados por um Combine Advisor que se revela ser o Dr. Breen (Confirmando a teoria) e leva eles de prisioneiro em um lugar que tem defesa Combine, no entanto, Breen se mostra extremamente arrependido por tudo, e que na verdade era um prisioneiro dos Combine, ele nem sabia que sua mente havia sido transferida a um corpo de Advisor e que se recusa a viver numa forma monstruosa e pede para que Alyx e Gordon o mate, dito e feito, mas que ao menos nas palavras de Laidlaw (que escreve como se fosse Gordon), ele teria hesitado por alguns segundos.

Gordon e Alyx ao escapar do local, descobrem que a Dra. Mossman estava feita de prisioneira, os dois libertam ela, mas Alyx fala da morte de Eli, que deixa Mossman chocada, as duas tem uma discussão, aonde ela fala que sempre trabalhou a favor da Resistência e que o melhor jeito era ser agente dupla, com o fim da discussão, ela fala que tem as chaves de ressonância para poder fazer o navio ficar na existência.

Depois de tiroteios com os Combines, o trio consegue entrar no Borealis graças as chaves que param a oscilação por curto período, logo depois eles se encontram do jeito que o navio esta agindo, passando por uma fenda temporal entre vários períodos e universos, no período dos personagens, a Resistência havia chegado para ajudar eles logo depois que entraram no navio.

O trio explora o Borealis e descobre aonde fica a fonte de poder, a história é que anos atrás durante a invasão dos Combine, vários cientistas de Black Mesa estavam desenvolvendo um novo aparato neste navio chamado de Bootstrap Device, que iria criar uma grande fenda sobre o navio e por sua vez, poder ir de um lugar para outro sem demoras, sem portais e etc (aka: Portal do Kleiner e Portal Gun), no entanto, testes não haviam sido conduzidos, e quando os Combines fizeram a guerra de sete horas (a que dominou o mundo de vez), os aliens estavam dominando as instalações de fora, fazendo que no desespero tivessem que ligar o Bootstrap Device e jogassem para o melhor lugar para se esconder, a Antártica, o que não sabiam até então, é que era possível viajar no espaço tempo, puxando o navio e seus tripulantes como um elástico.

Com essa história, os personagens estão vagando sobre o espaço tempo, sem controle, eles conseguem ver o momento que os Combine atacam aonde o Borealis estava, além do que seriam outros mundos, e talvez até mesmo, de tempos distintos, passado ou futuro, em alguns momentos, alguns membros do Combine acabam entrando no barco, aonde são mortos por Gordon e Alyx.

Os personagens se perguntam o que deveriam fazer com o barco, seja voltar para a Antártica no tempo em que estavam para ser estudado, ou destruir o Borealis, matando os três, Alyx decide pela segunda opção, pois era um desejo de sua mãe antes de morrer, mas Mossman afirma que a primeira opção é melhor, e as duas entram novamente numa discussão, aonde Alyx mata a Judith quando ela tentava desligar o Bootstrap Device, e ordena que o navio seja destruído.

Com os explosivos instalados para a missão suicida, G-Man aparece, e diz para Alyx seguir ele, ela o lembra da época de infância, aonde seguem por outro caminho do espaço tempo, enquanto Gordon é deixado no navio, aonde Freeman acaba parando na terra dos Combines, vê uma Esfera de Dyson (Estrela da morte?), que mostra o planeta dos Combine, o seu poder, e que explodir Borealis é algo fútil, Gordon nota que o navio vai acabar explodindo junto com ele.

Porém, os Vortigaunts do Episode Two (aqueles que entram na fenda de G-Man), salvam Gordon no último segundo, e vê a explosão acontecer, ele descobre que o terreno está diferente e agora restaria ao jogador descobrir o que aconteceu, se falharam ou conseguiram vencer, já que o roteirista Laidlaw disse que não se deve mais esperar qualquer coisa além dessa parte, que seria o último episódio (para ele).

Responsável pela franquia, a Valve lançou quatro jogos da série. O primeiro em 1998, que chegou ao Brasil pelas mãos da saudosa Brasoft, o segundo em 2004, o terceiro em 2006 (sob o nome de Half-Life 2: Episode One) e o quarto em 2007 (Episode Two). O próximo lançamento seria Half-Life 2: Episode Three, também chamado de HL3, mas o projeto entrou em suspensão espacial…

Laidlaw é um dos vários roteiristas envolvidos em grandes games que abandonaram a Valve nos últimos meses. Eric Volpaw, de Half-Life 2 e Portal, e Jay Pinkerton, de Portal 2, foram outros profissionais que deixaram a empresa, segundo informações do Gizmodo.

Da parte da Valve, Half-Life 3 é só fanfic. A empresa desconversa que está trabalhando na sequência.