Eu-Não-Sou-um-Homem-Fácil-Alexandra-Damien03052018_CV2

Muitas batalhas estão sendo travadas nos últimos anos pela igualdade de gênero. Colocando em cheque os costumes primitivos e patriarcais sobre papéis de gênero e superioridade masculina, o feminismo é mais complexo que muitos pensam. Explorando esse e outros aspectos do sexismo, o novo filme da Netflix destaca muito bem essa difícil, porém importante, mensagem, de maneira divertida e inteligente, fazendo de “Eu Não Sou Um Homem Fácil” um filme que vale a pena conferir.

4092907.jpg-r_1920_1080-f_jpg-q_x-xxyxx

Damien, personagem principal, é o típico estereótipo de um homem machista. Além de ser um conquistador, trata mulheres como objetos e pensa existir exclusividades de gênero, como roupas e tipos de bebida. Damien bate a cabeça em um poste, literalmente, e acorda em um mundo invertido. Nele, homens e mulheres têm seus papéis trocados em todos os sentidos. A vida do protagonista não mudou, visto que ele ainda tem seus amigos e seu emprego de antes. Entretanto, todos estão adaptados ao mundo novo. Enquanto seu melhor amigo se tornou dono de casa, sua chefe passou a usar terno para trabalhar. O corpo masculino passou a ser tratado de maneira exageradamente sexual, bem como o corpo feminino passou a ser coberto por calças.

bea2d9658feb9352eac9025e1dc1ce7f2bb1e286-770x405

De maneira cômica e irônica, mulheres passaram a classificar os homens como sexo frágil. Depilação se tornou algo destinado ao gênero masculino. O romantismo se tornou raro entre as garotas, que apresentam a fama de serem infiéis. Os cargos de importância e liderança são todos ocupados por mulheres, que correm pelas ruas sem camisa e sem a preocupação de serem assediadas. Além disso, para desespero de Damien, a moça por quem ele tinha se interessado antes da mudança, se transformou em uma versão feminina dele mesmo. Alexandra objetifica os homens, tratando-os como meros pedaços de carne para seu bel-prazer. Ele passa, então, a sentir a consequência de seus atos na pele. E o longa desenvolve isso da melhor e mais divertida maneira possível.

2215405.jpg-r_1280_720-f_jpg-q_x-xxyxx-1024x683

Eu Não Sou Um Homem Fácil não deve ser classificado apenas como uma “comédia romântica invertida”. A diretora e roteirista, Eleonore Pourriat, optou por uma forma divertida e sutil de criticar o machismo intrínseco na sociedade. E em tempos de grandes denúncias de assédio em Hollywood, o filme não poderia ter vindo em melhor hora. Ao final da trama, o público tem a certeza de que uma sociedade matriarcal é tão ruim quanto a patriarcal, tendo apenas os papéis invertidos. Para conseguir o efeito desejado, o roteiro apela para os clichês tradicionais do gênero. A protagonista cafajeste muda de opinião ao conhecer o homem da sua vida e vice-versa.

E aí, ficou com vontade de assistir? Não perca tempo!

Instagram-ATL-Girls