mulheres editorial

As fotógrafas Abigail Spencer e Meg Bishop, fundadoras da Sal and Light Photographycansaram de sempre ver o mesmo tipo de mulher retratada em editoriais mundo afora. Logo, elas resolveram fazer uma sessão de fotos que fuja desse padrão. Convidaram sete mulheres totalmente diferentes e com histórias maravilhosas. O ensaio foi intitulado “Don’t Label Me”, algo como “Não Me Rotule” a ideia é justamente mostrar que as mulheres não devem ser rotuladas.

1

Na primeira parte do ensaio, as fotógrafas pediram para que as modelos escrevessem em seus corpos nomes que as pessoas usam para rotular elas.  “Louca”, “inútil”, “patética”,”gorda” foram algumas das palavras usadas nos corpos delas. Além das imagens, elas aproveitaram para contar a história de cada uma das retratadas.

2

Já na segunda, os “rótulos” foram cobertos com tinta e glitter, mostrando que não existe palavra para definir tudo o que são, e que, mesmo que as palavras sejam ofensas, elas são superiores, vencendo seus desafios e mostrando o quanto são lindas.

3

Confira a histórias dessas modelos: 

#1 Renee

5

Renee sempre sofreu por conta da sua estatura e magreza, nunca podendo comentar do desgosto que tinha como próprio corpo, mas agora ela fala com toda a certeza: “Eu sou perfeitamente imperfeita, estando com 40 quilos ou 140 e eu devo me sentir confortável na minha pele, então não me rotule.

#2 McKyla

6

McKyla foi diagnosticada com vitiligo aos quatro anos, e, desde então, várias pessoas começaram a comentar, e, por isso, ela escondia a pele dela usando maquiagem e roupas. Até o dia que ela decidiu “eu sou feliz com a pele que tenho. E eu não seria McKyla sem ela!

#3 Anja 

7

Anja nunca foi uma menina magra e baixa, e nunca ligou, seus modelos sempre foram Queen Latifa e Serena Williams, e por isso sempre se destacou tanto nos esportes quanto nos estudos. Mesmo assim as pessoas comentaram sobre o seu peso, ela sabe que essas pessoas na verdade não devem continuar na sua vida: “Não importa o que digam, eu sempre vou me amar antes de tudo.”

#4 Aimee

8

Aimee é de uma família grande e não era amada por mais ninguém além do irmão, mãe e avó. Infelizmente, seu irmão, muito querido por ela, morreu quando ela tinha oito anos, e desde então a sua vida virou de ponta cabeça. Aos 13 anos, ela colocou o pai na cadeia por ter sido abusada por ele, apesar de não deixar claro se foi esse mesmo o motivo. Mesmo com tudo o que aconteceu, ela se mantém de cabeça erguida: “Nós somos mais. Mais do que qualquer ser humano pode explicar. Somos criados por um propósito, por um futuro, pela esperança… não para o mal, e não para rótulos.”

#5 Melissa 

9

Melissa veio de uma família pobre, com um pai que trabalhava em três empregos diferentes para manter a família e uma mãe vítima de depressão e bipolaridade. Ela sofreu bullying desde pequena por causa de suas roupas e pelo peso dela, e por isso desenvolveu bulimia e anorexia. “Eu me envolvi com esse projeto para mostrar que não importa de onde você veio, como foi criada ou como te rotulam… você sempre pode superar esses obstáculos.”

#6 Candice 

10

Candice sofreu abusos físicos, emocionais e sexuais, ela se viu tão perdida que tentou suicídio, e superou tudo isso. Hoje ela é uma pessoa forte, que ama seu corpo e é mãe. “Aqui eu estou, eu sobrevivi.”

#7 Cassie 

11

Cassie sofreu um acidente há 11 anos, que a deixou impossibilitada de andar e, segundo o médico que a operou, incapaz de ter filhos, por ser perigoso para sua vida. Ela tinha o sonho de praticar softball, com o acidente os planos mudaram, mesmo assim ela é treinadora do esporte, e, cinco anos após o acidente, ela engravidou, seu filho e ela sobreviveram ao parto. Além disso, engravidou de novo e nasceram gêmeos. “Eu tenho bênçãos intermináveis na minha vida. Eu sou tão rica quanto podem imaginar.

Quer ver mais editoriais incríveis e com mulheres vida real? Dá uma olhadinha nos editoriais do ATL Girls! <3

Instagram ATL Girls