pesquisa skol

“Mulher tem que se dar ao respeito”; “mulher no volante, perigo constante”; “ela não é mulher para casar”.

Essas são frases usuais e cotidianas para qualquer mulher brasileira, segundo pesquisa realizada pela Skol com o Ibope essas são três das declarações mais faladas pelos brasileiros (49%, 28% e 22%, respectivamente). Quem de nós nunca escutou uma delas, não é mesmo?

Resultado de imagem para marcha feminista

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

A pesquisa do Ibope ouviu 2.002 mil pessoas em todas as regiões do país durante cinco dias e se baseou em quatro tipos de preconceito mascarados por frases usuais: machismo, LGBTFOBIA, estético e racial. O machismo, por exemplo, está presente no cotidiano de 99% dos entrevistados e mais forte nas regiões Norte e Centro-Oeste, com 67% dos moradores desses locais estão acostumados a reproduzirem frases machistas.

Resultado de imagem para machismo

O estudo foi realizado a pedido da cerveja Skol com o intuito de propor uma reflexão sobre as atitudes e comentários que podem gerar distanciamento entre as pessoas, encorajar o diálogo e assim mudanças de atitude. Além de perguntas diretas sobre como cada indivíduo se enxerga, as pessoas foram questionadas se já ouviram ou disseram determinadas frases, como “Mulher tem que se dar ao respeito”, “Pode ser gay, mas não precisa beijar em público”, “Não sou preconceituoso, até tenho um amigo negro”…

Imagem relacionada

Instagram ATL Girls