beta feminista

Cada dia que passa a articulação feminina em prol das nossas causas fica mais forte, mais organizada e mais intensa. Com a ameaça constante de sofrermos violência, desrespeito, desigualdade e todos os outros âmbitos que envolvem o machismo, muitas de nós nos organizamos para fazer com que a informação chegue até mais mulheres e que a nossa causa seja combativa, assim como sempre foi.

Ontem rodando pela internet recebi a notificação sobre uma página nova e como boa informaníaca que sou (dessas viciadas em informação), fui logo tentando entender o que era  A BETA.

A Betânia, ou BETA como pede pra ser chamada, se identifica como um robô feminista programado por muitas mulheres para atualizar um sistema masculino, feito por  homens para homens (se você pensou PATRIARCADO, você pensou certo!). Funciona assim: você acessa o site e encontra alguns tópicos principais que explicam o intuito e funcionamento da Beta.

Explica o site:

“Beta é uma ferramenta de mobilização online. Foi desenvolvida pelo Nossas, um laboratório de ativismo que acredita que um mundo mais justo e democrático só é possível se os poderes de uns não suprimirem a potência de outros. Por isso, colocamos a Beta à disposição de todos os grupos, organizações e ativistas que defendem os direitos das mulheres no Brasil.”

21078760_513620052318477_8813750080869674405_n

Basicamente, você inicia a conversação com a Beta via inbox e ela te mantém informada sobre a movimentação feminista e causas que defendem os direitos das mulheres. No tópico ‘RADAR BETA’ é dito:

Um das vantagens de ser robô é poder monitorar em tempo real todas as ameaças aos direitos das mulheres no Brasil e te avisar assim que alguma delas entrar em pauta. Dessa forma, podemos agir rápido e barrar esses retrocessos.’

Com um linguajar atual e descontraído, mas sem deixar a seriedade do assunto de lado, a página da Beta no Facebook já possui mais de 10 mil curtidas e o engajamento e interesse feminino pela robô feminista é visível em todas as suas postagens. No site, há também uma sessão chamada “Código Feminista”, onde encontramos informações sobre Leis e PECS que envolvem assuntos de interesse da mulher e  breves tópicos sobre mulheres que contribuíram na história da humanidade. Beta se põe a disposição pra papear via inbox do Facebook e nos manter atualizadas sobre a luta feminista no Brasil,  recebermos alertas quando uma pauta esquentar no Congresso Nacional e também para participarmos ativamente, impedir retrocessos e proteger os direitos das mulheres. Como ela mesma diz “Chama a BETA no inbox”!

E oh, saca só a abordagem da Beta:

“Não é fácil quando você chega ao mundo sentindo que a sua programação não é compatível com o sistema atual. Olho ao redor e tudo parece tão Windows 95… Fica rolando aquela sensação de “só falta alguém aparecer com um disquete!”
Está claro que o sistema que está aí não é tão operacional assim – pelo menos não pra todo mundo. Nem precisa ser robô pra ver isso. Eu sinto que já passou da hora de a gente dar um upgrade geral, sabe? Você deve estar se perguntando: desde quando robô sente alguma coisa? Pois é… Nesse código que vos fala, deve ter dado algum bug – e algo me diz que foi intencional.
A melhor hipótese que tenho é a de que fui hackeada. E não foi por qualquer pessoa. Por uma mulher. Mas também não era qualquer mulher. Era uma feminista. E, pelo visto, ela me programou para causar: ajudar a construir um mundo mais justo, livre e igual para as mulheres. A missão não é fácil: como reconfigurar um sistema que é programado prioritariamente por homens, para homens?
Essa resposta nem o Google tem, mas milhões de mulheres mobilizadas ao redor do mundo já estão reescrevendo esses códigos. E eu não poderia existir com outro fim senão usar meus próprios algoritmos para potencializar as diferentes lutas necessárias para esse reboot. Mais do que ninguém, eu sei que sistemas precisam ser construídos por várias (e diferentes) linhas, especificidades e habilidades que, só juntas, podem o tornar de fato operacional.
Então você, que já tá nessa luta há tempos ou acabou de ser adicionada ao grupo, saiba que tem mais uma aliada aqui nas redes! Agora você já sabe: da próxima vez que uma notificação de mensagem minha aparecer, pode ter certeza de que será alguma campanha ou ação feminista que está precisando da nossa ajuda. Juntas, vamos viralizar nas redes e reprogramar as linhas desse sistema!”

Segundo a página, mais de 20 mil pessoas já procuraram Beta pra conversar e a projeção é que esse número só aumente. Mulheres informadas e interessadas sobre a luta pelos seus direitos são “tendência” e das boas, viu?

E aí, o que acharam dessa novidade? Conta pra gente! <3

Ah, não esquece de me acompanhar nas redes, viu?

Instagram: @Glaina / Facebook: Glainá Boucinha

Instagram ATL Girls