diva gui

Acabei de passar 13 minutos arrepiada e com lágrimas escorrendo dos olhos em razão da fala da professora e neta de escravos Diva Guimarães, 77 anos, do interior do Paraná na Flip (Festa Literária Internacional de Paraty/RJ). Esse vídeo viralizou no último final de semana e apesar do meu interesse máximo no assunto e de ter salvado diversas reportagens que saíram, eu ainda não tinha lido ou assistido nada, burrice minha.

"Estou muito feliz de ver essa plateia aqui cheia de brancos, preconceito não é uma questão só dos negros, todo mundo faz parte do problema e da solução."

Foi assim que Diva Guimarães, durante a palestra/conversa do lançamento do livro "Na sua pele", de Lázaro Ramos, solicitou a palavra. Durante seus 12 minutos de fala, tocou e emocionou todos os presentes e de quem a assistiu virtualmente, como eu. Ela falou um pouco de sua história, como que só conseguiu alcançar o magistério em Curitiba, porque sua mãe lhe mostrou o caminho da educação. Disse que começou a trabalhar muito cedo para pagar seu material escolar e que estudou em colégio interno. Ainda contou sobre a história que as freiras falavam sobre as cores das pessoas:

"Quando eu era criança, as freiras me contaram uma história de como Deus abençoou um rio e mandou todos os homens tomarem banho nele. Os mais trabalhadores e inteligentes chegaram primeiro, mergulharam no rio e saíram brancos. Já os mais preguiçosos chegaram tarde e só havia um restinho de água. Por isso continuaram negros, só com a palma das mãos e a planta dos pés brancos."

Resultado de imagem para diva guimaraes

No final, Lázaro declarou que Diva o deixou com coração pequenininho e que o mais importante é o investimento na educação pública de qualidade.

Tudo que Diva falou é real, é importante e deve ser espalhado. Ainda não somos valorizados, ainda temos que mostrar nossa competência todo santo dia para perceberem o quanto valemos. Diva está certa ao dizer que essa fala não pode ficar apenas nos grupos de maioridade negra, tem que incluir todos para que consigamos alcançar o nosso espaço de fato.

Muito obrigada, Diva!

Assista o discurso completo (utilidade pública!):

https://www.youtube.com/watch?v=tYgEjiev-DU

Além de tudo, a Flic 2017 teve foco na diversidade com uma ampla fala sobre negros e mulheres, com maioria feminina nas mesas de debates e muita fala sobre representatividade e racismo. O homenageado do evento foi Lima Barreto, escritor que discutia o racismo no período logo pós escravidão.

@negraecrespa

Instagram ATL Girls